O Natal chega...

Merry Christmas

Merry Christmas

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Acalmar o bebé (parte II)

Não consigo perceber porque está a chorar. O que devo fazer?

Embrulhe-o e abrace-o

Os recém-nascidos gostam de se sentir tão quentes e seguros como no útero, por isso tente envolver o bebé numa manta, embalando-o ou segurando-o contra o seu ombro. Mas tenha em atenção que alguns bebés não gostam de se sentir apertados ou confinados e reagem melhor a outras formas de reconforto, como movimentos ritmados ou chuchar numa chupeta.
Deixe-o ouvir o ritmo

Os bebés estão habituados ao som do seu coração; este é outro motivo para gostarem tanto de estar ao colo encostados contra o peito. Pode também tentar colocar música suave, cantar uma canção de embalar.
Ponha-o mexer

Às vezes, o simples movimento de transportar o bebé é o suficiente para o acalmar. Noutras situações, pode ajudar embalá-lo suavemente numa cadeira ou baloiço. Pode também levá-lo a passear na rua na cadeira ou a dar uma volta de carro.
Faça massagens

A maioria dos bebés adora ser tocado, por isso uma massagem pode ser precisamente o ideal para acalmar o bebé. Não se preocupe se não conhecer os movimentos perfeitos – desde que sejam suaves e lentos, deverão ser suficientes para reconfortá-lo. Além disso, tente esfregar as costas ou a barriga do bebé, já que isso o ajuda se tiver dores causadas por gases – que podem ser o problema de alguns bebés com cólicas.
Dê-lhe alguma coisa para chuchar

Mesmo que não esteja com fome, a sucção pode estabilizar a frequência cardíaca do bebé, descontrair o estômago e acalmar os seus membros agitados. Dê-lhe uma chupeta ou um dedo a que se possa agarrar e leve-o a passear.
Cuide de si própria

Nenhum bebé alguma vez morreu a chorar, mas um bebé chorão pode constituir um grande stress para quem acaba de ser pai ou mãe. A privação de sono é permanente e podem até sentir-se inseguros sobre a sua capacidade de tomar conta deste bebé. As emoções da mãe estão ao rubro devido às alterações hormonais que está a atravessar. O pai pode não ter a certeza do papel que tem a desempenhar nos cuidados ao recém-nascido e se alguma vez terá novamente a atenção da mulher. Se acrescentarmos um bebé aos gritos a este cenário, muitos pais poderão ser invadidos por uma sensação de incompetência.

Sabendo que satisfez as necessidades do bebé e que já tentou acalmá-lo, mas que continua a chorar, chegou a hora de tomar conta de si, para que não fique demasiado exasperada:

• Pouse o bebé num local seguro e deixe-o chorar durante algum tempo.
• Telefone a um amigo ou familiar e peça conselhos.
• Faça uma pausa e peça a alguém para assumir a tarefa.
• Ponha uma música calma e distraia-se.
• Inspire profundamente.
• Lembre-se de que está tudo bem com o seu bebé e que chorar não lhe faz mal – se calhar só precisa de libertar o stress dessa forma.
• Repita para si mesma “Ela vai acabar por superar esta fase".
• O que quer que faça, não descarregue a sua frustração no bebé, abanando-o.

Felizmente, os bebés (e os pais) têm uma grande capacidade de recuperação e, de alguma forma, conseguem superar mesmo os episódios mais difíceis. Ganhe coragem com a ideia de que, quando tiver 8 a 12 semanas, o bebé já conseguirá acalmar-se melhor sozinho e grande parte de todo este choro irá terminar.

Acalmar o bebé (parte I)

Dos 0 aos 6 meses: Choro do bebé

Damos-lhe sete razões porque chora o seu bebé. Saiba acalma-lo.
Os bebés choram. Não há como evitá-lo – é uma das formas que têm para comunicar. Como o seu bebé não lhe consegue dizer simplesmente o que quer, é possível que fique preocupada e se pergunte “Como vou eu saber o que quer?”. No início pode ser difícil, mas uma grande parte do trabalho dos pais funciona em regime de tentativa e erro, pelo que não tardará a conseguir prever as suas necessidades, interpretar os sinais e secar as suas lágrimas. Veja aqui as razões mais comuns para o choro do bebé. Se o seu pequenino não parar de se queixar, percorra esta lista e é muito provável que encontre alguma dica que a ajudará.
Como posso saber por que razão o bebé está a chorar?

Tem fome

Quando aprender a reconhecer os sinais de que o bebé quer comer – fica agitado, faz ruídos e procura a mama quando o pega ao colo – será especialista em dar-lhe de comer antes sequer de ele começar a chorar a sério. Até lá, é boa ideia começar por ver se tem fome quando começa a chorar. Dar-lhe de comer pode não parar o choro de imediato, mas deixe-o continuar se ele assim o desejar. Quando tiver o estômago cheio, ele pára.
Tem a fralda suja

Alguns bebés dão imediatamente a entender quando precisam de mudar a fralda. Outros não se importam de ter a fralda suja – é quentinha e confortável. (Os pais ficam muitas vezes surpreendidos quando pegam na criança e descobrem que tem estado sentada em cima de uma fralda suja e que não deram o mínimo sinal.) De qualquer modo, é fácil de verificar e solucionar.
Tem demasiado frio ou calor

Os recém-nascidos gostam de ser embrulhados e ficar quentinhos. (Geralmente, para se sentirem confortáveis, precisam de mais uma camada do que um adulto.) Por isso, se tiver frio, por exemplo, quando tira a roupa para mudar a fralda, o bebé irá manifestar o desconforto começando a chorar. Irá aprender a mudar rapidamente a fralda e a vestir logo o bebé. Cuidado para não vestir demasiada roupa, já que é menos provável que se queixe de ter demasiado calor e não irá certamente chorar com o mesmo vigor.
Quer colo

Os bebés precisam de muitos mimos. Gostam de ver as caras dos pais, ouvir as suas vozes e o bater do seu coração, e conseguem mesmo detectar o seu cheiro característico (especialmente o do leite da mãe). Depois de mamarem, arrotarem e de terem uma fralda limpa, tudo o que os bebés querem é colo. Poderá recear estar a “mimar demasiado” o bebé se lhe pegar muito ao colo mas, nas primeiras semanas de vida, isso é impossível. A necessidade de colo varia muito de bebé para bebé. Alguns requerem muita atenção, enquanto outros conseguem passar grandes períodos de tempo calmamente sentados sozinhos. Se o seu bebé gosta de muita atenção, pegue-o ao colo, transporte-o num porta-bebé ou coloque-o ao seu lado.
Já não aguenta mais

Embora os recém-nascidos necessitem de muita atenção para se desenvolverem, também podem ficar facilmente sobre-estimulados e saturados. Irá reparar que o bebé chora mais do que o habitual depois de passar um feriado com muitos familiares adoráveis ou que, no final de cada dia, tem momentos em que parece chorar sem motivo nenhum. Os recém-nascidos têm dificuldade em processar todos os estímulos que recebem – as luzes, os ruídos, passar de colo em colo – e podem sentir-se muito confusos com tanta actividade. O choro é uma forma de dizer, "Chega!" E isso acontece normalmente quando o bebé fica cansado. Leve-o para um local sossegado e deixe-o descontrair durante um bocado e depois veja se o consegue adormecer.
Não se sente bem

Se tiver acabado de dar de mamar e tiver verificado se o bebé está confortável (pode estar incomodado com coisas tão simples como um cabelo à volta de um dedo do pé ou uma etiqueta da roupa que faz comichão), mas continua a chorar, tente ver a temperatura para ter a certeza de que não está doente. O choro de um bebé doente é normalmente diferente do choro de fome ou de frustração, e em breve saberá quando “há algo de errado” no choro do bebé e que será preciso levá-lo ao médico.
Nenhuma das situações anteriores

Às vezes é possível que não consiga descobrir o que se passa. Muitos recém-nascidos passam por períodos de agitação e não são facilmente consoláveis. Estes períodos de agitação podem consistir nalguns minutos de choro ou violentos choros de cólicas. As cólicas caracterizam-se por um choro inconsolável durante pelo menos três horas por dia e pelo menos três dias por semana. Mesmo que o bebé não chore muito, estes episódios podem ser difíceis para si. Quando tudo o mais falhar, tente as sugestões apresentadas em seguida.

domingo, 26 de outubro de 2008

FELIZ ANIVERSÁRIO JOANA

Hoje é um dia muito feliz para a mamã Sofia e para o papá Pedro, pois a sua filhota faz anos. Os meus parabéns, pois foi um ao de muito amor, carinho, ternura, e descobrimentos nunca pensados antes. PAssem pelo blog e deem os parabéns http://acegonhacorderosa.blogspot.com/

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Consulta no GO

Bom dia minhas queridas, espero que esteja tudo bem connvosco e com os vossos nenucos :)
Hoje tenho consulta no meu GO, pois tenho andado com muitas dores no útero/ovários.
Como tenho historial de quistos nos ovários, vou lá hoje, pois tenho tido crises muito más. Crises que me obrigam a parar o que esteja a fazer no momento. Acreditam que ate a dormir tenho estas dores? Ao inicio pensei que fossem colicas, mas não são, sei distiguir bem as cólicas.
São dores que me obrigam a dobrar-me todinha, tais são as dores. Tenho consulta ás 19 horas, depois vou tentar vir cá dar noticias. Tenho que beber muita agua, para fazer uma eco.
Como será agora fazer uma eco, sem ter o bebé lá?? Haver vamos.
Bem tenho que ir pois o dever chama.
Beijovas a todas vós

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

O sono do bebé

Crie as condições ideais para uma boa noite.



É importante começar bem.
Entre as preocupações normais de todos os pais de um bebé, a questão do sono será a que mais vezes estará na ordem do dia. Terá certamente dúvidas sobre se o seu bebé “dorme bem”. Afinal de contas, o bebé do vizinho já dormia a noite toda com apenas algumas semanas — por isso, o seu também deveria ser assim, não é verdade? Poder dormir uma noite inteira é um daqueles marcos ansiosamente esperados por todos os pais mas, na verdade, esta meta consegue ser menos previsível do que outros marcos de desenvolvimento, como a capacidade do bebé se virar. Todavia, os pais podem ajudar a criar as condições ideais para uma boa noite de sono, procedendo da forma mais adequada logo desde o início — e, mais tarde, usando algumas tácticas testadas e comprovadas.



Qual a diferença entre os meus padrões de sono e os do meu bebé?

Os bebés dormem muito — mas nem sempre o fazem quando queremos. O ritmo do sono precisa de algum tempo para se regularizar. Se se informar desde já sobre os padrões de sono dos bebés, estará em melhores condições de prever e prevenir potenciais armadilhas que possa encontrar no caminho.



De quantas horas de sono precisa o meu bebé?

Os recém-nascidos dormem em média 16 a 18 horas por dia e todos os bebés continuam a precisar de dormir bastante. Consulte o guia por idades.


Idade
Nº aproximado de horas de sono:
Recém-nascido
16 a 20 horas por dia
Três semanas
16 a 18 horas por dia
Seis semanas
15 a 16 horas por dia
Quatro meses
9 a 12 horas mais 2 sestas (2 a 3 horas cada)
Seis meses
11 horas mais 2 sestas (2 horas cada)
Nove meses
11 a 12 horas mais 2 sestas (1 a 2 horas cada)
Um ano
10 a 11 horas mais 2 sestas (1 a 2 horas cada)
18 meses
13 horas mais 1 ou 2 sestas (1 a 2 horas cada)
Dois anos
11 a 12 horas mais 1 sesta (2 horas)
Três anos
10 a 11 horas mais 1 sesta (2 horas)

O seu bebé tem sete semanas


Dá-me! Dá-me! Os movimentos do seu bebé estão lentamente a tornar-se mais suaves e mais coordenados.

A capacidade do recém-nascido de agarrar os objectos por reflexo está a desaparecer. O seu bebé consegue agora agarrar objectos voluntariamente — rocas, colheres, a mãe. Pode agarrar durante algum tempo e depois largar. Durante um mês, mais ou menos, poderá ainda notar alguns movimentos mais sacudidos.

Agora que já consegue manter a cabeça direita, ver bem e compreender que os dedos e as mãos fazem parte do corpo, o bebé pode pensar que a roca é apenas um prolongamento da mão. Pode incentivar os movimentos das mãos deixando as mãos do bebé livres.
Não as mantenha presas pelos cobertores nem as esconda com luvas para evitar que o bebé se arranhe. Utilize objectos e brinquedos que o bebé possa agarrar, com várias formas mas que não sejam nem muito grandes, nem muito pequenos para as suas pequenas mãos (mais ou menos o tamanho de uma roca).
Os mobiles com bonecos suspensos são também divertidos para o bebé brincar enquanto está deitado de costas.


Actividade da Semana
Exercite os músculos das pernas do seu bebé fazendo um movimento de pedalar com os pés

A Amamentação

A amamentação deverá ser o mais natural possível. Os elementos artificiais que usualmente são recomendados, na maioria dos casos, prejudicam o decurso natural da amamentação. Para ter uma ideia, as bombas utilizadas durante o engurgitamento podem desiquilibrar a produção de leite na sua adaptação oferta/procura; os mamilos de silicone estão associados a menor produção de leite e as chupetas e tetinas utilizadas precocemente estão na origem da “confusão de mamilos” (nipple confusion), uma confusão comum do bebé, por não saber distinguir a pega da chupeta e a pega no peito da mãe, sendo a pega correcta a base essencial para uma amamentação bem sucedida.


*A Pega


Uma pega eficaz é essencial para uma amamentação bem sucedida. A dor nos mamilos é um sinal de alerta de que a pega não está adequada, o que poderá causar desconforto à mãe e interferir na alimentação do bebé. Se a dor persistir, por favor contacte, logo que possível, um dos nossos voluntários para poder orientá-la na correcção da pega. (Esta orientação pode ser realizada com uma visita domiciliária).

Como ajudar o bebé a pegar na mama:

*Tocar os lábios do bebé com o mamilo;
*Direccionar o mamilo para o palato do bebé;
*Esperar até que a boca esteja bem aberta;
*Nessa altura trazer o bebé rapidamente à mama;
*O nariz e o queixo do bebé ficam junto à mama;
*A cabeça do bebé deve estar alinhada com o resto do corpo (para não ter a cabeça voltada para o lado para mamar)
*Vê-se pouca aréola por baixo;
*Puxar, com o dedo indicador, o queixo do bebé para baixo, fazendo com que a boca abra mais e o lábio inferior esteja virado para fora;
*Pode-se ver e ouvir a deglutição.

Pega de aréola correcta para uma sucção eficiente
Ilustrações extraídas do livro Como Ajudar as Mães a Amamentar, de F.Savage King






Como segurar a mama:

*Primeiro, a mãe deve encontrar-se numa posição confortável.
*A mão deve estar em forma de C - com os quatro dedos contra a parede do tórax debaixo da mama; com o indicador a apoiar a mama por baixo; o polegar coloca-o acima da zona superior da aréola.
*Os dedos não devem estar próximos de mais do mamilo.
E muito mais no site:






Miminhos tão bons

Este miminho dado pela querida mamã Sofia (http://acegonhacorderosa.blogspot.com/ ) e pela futura mamã de um Francisco a Liliana ( http://the-moon-over-the-sea.blogspot.com/ )



E mais este dado também por elas a quem agradeçemos os miminhos dados.
Assim mandam as regras:

“1. O vencedor recebe o prémio e poderá colocá-lo no seu blog;
2. Devemos fazer referência à pessoa que nos endereçou o miminho;
3. Enviar o mesmo prémio para 7 pessoas cujos blogs sejam uma inspiração;
4. Deixar um comentário nos blogs seleccionadas permitindo assim que eles saibam que foram presenteados e quem os presenteou!”.

Então aqui fica os blogs premiados:
"Para ti, uma nova vida"
"Nós a caminho"
"Barriguitas"
" A tua espera"
"Gugu dada"
"The moon over the sea"
"VaniAlex Children"

Um muito obrigado a todas vós.
Olá minhas queridas, espero que esteja tudo bem connvosco e com os vossos bebés. Connosco também está tudo bem, tirando uns dias que o Hugo anda mais chatito. Já cresceu um bom bocado, o meu menino, já ri mais vezes...
Hoje venho aqui deixar uns miminhos dados pela mamã Sofia, da Cegonha cor-de-rosa.
Um beijinho para todas vós.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Cólicas fazem sofrer recém-nascidos

Clinicamente complicado distinguir a cólica e o choro, não raras vezes deixando os pais preocupados. Existe uma solução para este problema, mas é fundamental consultar um especialista antes de administrar qualquer tipo de fármaco ao lactente. Os pais também devem ser tranquilizados, afinal, trata-se de um problema transitório.
A cólica, normalmente, caracteriza-se por episódios de irritabilidade, agitação e choro. Podem durar cerca de três horas por dia, surgindo três a quatro dias por semana, ao fim da tarde e noite. Afecta bebés com idades compreendidas entre os 15 dias e os 4-5 meses. Os pais, ao constatarem que o recém-nascido sofre, ficam nervosos, angustiados, ansiosos e, por vezes, sem saber o que fazer para atenuar a dor do bebé. Quando o bebé tem cólicas apresenta um choro muito intenso, fica congestionado, ruborizado, tende a encolher as pernas, a barriga fica espástica, tem muitos gases e, por vezes, prisão de ventre. «Para dizer que se trata de cólicas temos de excluir outras causas, por exemplo, se tem fome, ou se está desconfortável, e é importante que a mãe tenha a noção de que a criança, às vezes, chora porque quer que lhe prestem atenção», diz o Dr. Herculano Rocha, chefe de serviço de Pediatria do Hospital de D. Maria Pia, no Porto.

Além do mais, o Dr. Martins Roque, pediatra, director do Departamento de Medicina do Hospital de D. Estefânia, explica que «um recém-nascido tem o seu período de adaptação ao exterior, normalmente, com a duração de dois ou três meses. O choro está, muitas vezes, ligado à intenção do bebé chamar a atenção ou reclamar, seja contra o frio, o calor ou contra a dor. É neste fenómeno que se pode inserir a cólica, que se traduz por um choro intenso, sendo difícil sossegar a criança».

1 mês de vida meu amor


Ontem fizestes um mês de vida, parabéns! Como o tempo voa, parece que foi ontem que te murmurei: “Bem-vindo, amor!”e parece que foi anteontem que soube que estava grávida de ti! A nossa gravidez não foi fácil.
Escrevo “nossa” porque a gravidez também foi tua: enquanto eu sentia-te viver dentro de mim, tu ias enchendo a vida de ti.
Infelizmente, tivemos um pós-parto pouco habitual e os abraços e beijinhos que trocamos nas tuas primeiras horas de vida souberam a pouco...durante17 longos e intermináveis dias estiveste ao cuidado de uma incubadora e, meu Deus, o quanto me custava apartar-me de ti, tocar-te ao longe, ver-te ao longe...sempre que estava junto de ti, puxava de uma cadeira e colocava o meu nariz de encontro à incubadora para te sentir mais perto de mim.
Mesmo assim, enquanto não te pude segurar no colo, segurava a tua mão na minha e falava contigo, quer estivesses acordado ou a dormir. Era capaz de ficar horas assim, ao pé de ti, aguardando o momento de, finalmente, te ter de encontro a mim.
Às vezes, enquanto dormes, aproximo-me de ti e fico-te a ver e a ouvir respirar. Olho para cada detalhe teu como se fosse a primeira vez e agradeço a Deus a dádiva que me concedeu.
Os meus parabéns meu bem.
Da tua sempre Mãe

terça-feira, 7 de outubro de 2008

4 semanas!!!!!

Bom dia minhas queridas amigas, espero que esteja tudo bem connvosco. Connosco não vai muito bem. O meu menino decidiu á duas noites para cá não dormir e não deixar a mamã dormir. Faço tudo, dou-lhe a mama, dou-lhe colo, dou-lhe banho antes de ir para a cama, mudo a fralda, e ele continua a chorar. Faço-lhe massagens e ele chora.
Chora ele e choro eu. Estou desesperada. Os meus pais querem ajudar, mas por vezes fazem o contrario. Querem pegar-lhe e ele lá deve ficar mais massado e ainda chora mais. Vem para o meu colo chora, está deitado chora. Não sei mesmo o que fazer. Desespero pois necessito de dormir nem que seja 5 minutos, mas não posso, pois ele precisa de mim. Não sei o que fazer mais.
O tempo também não ajuda, nada ajuda. Desespero pois não consigo ajudar o meu menino, sinto-me imputável ao ve-lo a chorar horas seguidas e não saber o porquê. Nós mães deviamos saber o porque dos nossos bebés estarem a chorar. Sei que com o tempo vamos conhecendo cada choro dos nossos filhos, mas ainda não consegui saber o que cada choro dele significa. Tenho vos a vós para me ajudarem e para me ouvirem.
Peço desculpa por ser chata, mas são as únicas pessoas com quem posso falar e ouvir uma voz amiga sem refilar ou dizer que estou a fazer tudo mal.
Por vezes a minha mãe é um pouco mázinha e diz que não sei fazer nada de jeito. Eu perçebo-a e não ligo, mas outras vezes custa ouvir isso. Estou sobre grande pressão, e ela por vezes não ajuda em nada. É por isso e por outras coisas que não a quero a ela e ao meu pai aqui em casa. Atrapalham mais do que aquilo que tentam a judar.
Preciso de um tempo com o meu menino, tempo para ganharmos rotinas, para nos conheçermos os dois, para eu o conheçer melhor, e para ele também saber que a mãe está ao lado dele para o que precisar.
Ajudem-me, deem -me concelhos por favor. Peço desculpa por ser chata ou massar-vos.
Obrigada por tudo. Beijocas fofas para todas vós

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Olá minhas queridas

BOM DIA MINHAS QUERIDAS AMIGAS!!!
Espero que esteja tudo bem connvosco, connosco está tudo muito bem, faz hoje uma semana que tenho o meu pimpolho em casa.
Uma semana muito boa, uma semana de novas experiências, de novas aventuras, de novas coisas.
Estamos a conhecer-nos mutuamente, eu e o meu pequeno. Ele é um chorãozito :)
Por vezes tenho que o acordar para o meter a comer, senão ele não me come. É muito preguiçoso.
dou-lhe peito, pois é o melhor para ele, por vezes tenho que tirar do peito e dar no biberão, pois ele cansa-se muito.
Adoro dar-lhe o peito, são momentos só nossos, tento sempre que dou peito estarmos só nós os dois, pois acho que por muito bom que seja ter os meus pais aqui, também preciso de ter momentos a sós com o meu menino. Precisamos de ganhar o tempo "perdido" que tivmos quando ele esteve o hospital.
Porque quando ele estava no hospital, eu sei que era parao bem dele e meu também, as enfermeiras estavam sempre em cima de nós, estavam sempre a ver se ele estava bem posicionado para mamar, vinham ver se ele estava com a boca bem colocada para não se cansar, vinham sempre ver se estava bem, foram duas semanas desgastantes acreditem.
Quando ouvi o médico dizer que ele vinha para casa, até pensei que fosse mentira. Até tive que me sentar pois senti-me fraca. Não queria acreditar, o meu menino finalmente vinha para casa. Fui logo telefonar para os meus pais e sogros a dizer que o neto vinha finalmente para casa. Os meus pais e sogros ficaram radiantes, ao verem o neto.
O pai nem quis saber, desde que ele asceu nunca cá veio vê-lo. Pergunta á mãe, mas a mãe diz-lh para o vir ver, pois ele não lhe morde ou lhe pega nenhuma doença. E já decidi, com pessoas como ele não se perde tempo.
Depende do dia, há dias que adora o banho há outros dias que berra que se farta. Os primeiros dias os meus pais e sogros vieram cá a casa ajudar-me com ele, para eu também poder descansar, pois não conseguimos fazer nada se não descansarmos o suficiente.
Já está nos 2 kilos, o que é muito bom. Não tenho saido de casa, pois o tempo não está certo e tenho muito medo que ele apanhe alguma. Já chegou o tempo que teve que ficar o hospital para ganhar peso e autonomia para comer.
Tive que comprar roupa toda nova, pois as que aqui tinha eram lhe todas grandes. Está agora a dormir sossegado no seu berço.
Pois bem o texto já vai longo e eu não quero vos massar mais. Quando tiver mais noticias venho aqui contar-vos.
Beijocas a todas vós e aos vossos rebentos. Um beijo e especial para a minha amiga J e a sua Carlota.