O Natal chega...

Merry Christmas

Merry Christmas

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Um feliz natal


É o que vos desejamos do fundo do coração. Um beijo muito reconchudo da mamã Sofia e do seu Hugo.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Coom o natal á porta...

Olá minhas querias amigas, espero que esteja tudo bem connvosco e com os vossos bebés. Connosco está tudo bem, o Hugo está enorme, aqui fica as actualizações:

Declaração universal dos meus desagrados aos 3 meses:

*Quando estou acordado, não gosto de estar muito tempo sozinho. Começo logo a chamar a atenção, quer através das minhas primeiras “palavras” quer deitando deliberadamente fora a chucha;

*Andar de colo em colo não é algo que me deixe muito entusiasmado. Eu sei que sou bonito, fofinho e irresistível (e a mamã comprova-o!) mas acho que por vezes há uma tendência para pensar que um bebé é todo ele bochechinhas e sorrisos. Pois...é que de tanto colo em colo acabo sempre por fazer uma autêntica birra. E quem me pegou ao colo, o que é que diz: “Mãe o menino está achorar, deve querer o teu colo !”. Então, se me deram colo não sabem gerir a minha birra?! E quem disse que uma birra não tem o seu charme? É tudo uma questão de pontos de vista...


Declaração universal das minhas preferências aos 3 meses:


*Já consigo adormecer sozinho na minha cama, se bem que continuo a precisar do colo para fazer a transição entre o “completamente acordado” e o “quase a dormir”. E não vale deitarem-me quando eu estou acordado, muito dificilmente adormeço nestas condições!;

*Reconheço ao longe a voz da mãe e começo logo a sorrir, é mais forte do que eu!;

*Gosto quando conversam comigo, tento sempre responder com as minhas primeiras “palavras”. O diálogo é, realmente, algo de precioso e fascinante

*Rio-me com toda a satisfação do mundo e prolongo esse mesmo sorriso que, aos olhos da mamã e dos avós, deve ser maravilhoso!;

*Adoro mudar a fralda e estar de rabito ao léu!;

Pois bem aqui esta o relatorio sobre o meu pequeno.
Fui premiada pela mamã Sofia e a sua Joana (http://acegonhacorderosa.blogspot.com/) e agradeço-lhes do fundo do coração. Um grande beijo para elas, a mamã Su ( http://umaervilhachamadamadalena.blogspot.com/) deixou-me um desafio, mas como o tempo não é muito quando puder vou deixa-lo aqui.




Pois bem, vou ter que ir indo. Se ão puder vir aqui tão cedo, deixo já o meu feliz e santo natal e um bom ano novo. Beijocas a todas vós da mamã Sofia e do Hugo

O seu bebé tem 3 meses, Primeira semana!

Já aprendeu a embalar – agora prepare-se para rolar.
Entre os 3 e os seis meses, o bebé vai aprender a rolar. Os bebés activos que adoram endireitar e arquear as costas são mais propensos a rolar mais cedo que os bebés menos activos, que preferem ficar deitados e apreciar o que os rodeia.
Ambos os tipos de bebé irão provavelmente preparar-se para este grande momento do rolar, oscilando lateralmente quando estão de barriga para baixo.

É por isso que é aconselhável certificar-se de que o seu bebé passa muito tempo no chão — é uma excelente oportunidade para ficar deitado (no chão ou numa manta) e movimentar-se e brincar consigo. O bebé não poderá treinar os movimentos de rotação se estiver na cadeira do carro, numa espreguiçadeira ou na cadeirinha o dia todo.

O seu bebé começará por fazer pequenas flexões de braços e com um impulso conseguirá virar-se de costas. Eventualmente, acabará por conseguir voltar à posição de barriga para baixo.
O seu bebé também já consegue provavelmente sentar-se direito, quando apoiado por almofadas. Se o conseguir fazer por breves períodos de tempo sem que caia para a frente ou para o lado, então deixe-o divertir-se com o novo ângulo de visão que advém da posição sentada, mantendo-o sentado num carrinho de passeio ou ao seu lado no sofá. (Tenha atenção e não deixe um bebé, mesmo apoiado, sem ninguém a vigiar. Mesmo que aparentemente esteja estável, pode cair.)

É mesmo verdade

Os bebés tendem a chorar mais durante os primeiros três meses, pelo que a parte pior está a acabar. Em breve notará um decréscimo significativo no choro.

Actividade da Semana

Dê mais vida ao “Atirei o pau ao gato” com palmas ou saltos.

Síndrome é uma das causas da mortalidade infantil

A síndrome de criança abanada é uma das grandes causas da mortalidade infantil por maus-tratos. Mas aparecem no hospital situações que os pais dizem ser involuntárias, quando estão desesperados com a criança engasgada ou com falta de ar. Os danos no cérebro provocados pelos abanões podem ser irreversíveis.
Chegam ao hospital com convulsões, marcas negras, ou em letargia. Foram abanadas pelos pais, aflitos com uma situação inesperada que não conseguem controlar ou foram abanados por ciúme, ou raiva, vítimas de maus-tratos.
Em Portugal, a síndrome de criança abanada é uma das duas principais causas de morte associada a maus-tratos físicos em crianças até aos três anos. Num terço dos casos a criança morre, em dois terços fica com sequelas neurológicas graves irreversíveis como paralisia cerebral ou dificuldades motoras, auditivas ou visuais.
São os exames cerebrais que mostram a existência de síndrome de criança abanada. O desafio dos médicos consiste em perceber se o comportamento dos pais foi ou não intencional. As crianças podem ser tiradas aos pais durante o período de avaliação judicial. Normalmente os casos repetem-se em crianças que choram muito, mas os abanões involuntários também podem ser perigosos.
Com os filhos engasgados ou com falta de ar os pais perdem o controlo. Os médicos pedem um grande esforço para evitar comportamentos desadequados. Pedem aos pais a calma muitas vezes impossível.

Fonte: TVI

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Desculpem

Olá minhas amgas, espero que esteja tudo bem convosco. Connosco está tuso, o Hugo já da melhores noites. Eu é que tenho andado mt ocupada, tenho indo e vindo todos os dias para o Porto. Ando lá a fazer uma formação que me pediram e então, tenho k me levantar cedo. Peço desculpa por não ter vindo actualizar o catinho, mas quando poder e tiver mais calma venho aqui contar todas as novidades. Beijocas a todas e um inicio de Dezembro muito bom.